Atividade física ajuda a melhorar capacidade de aprendizado

12 de February de 2019

 

Para muitos pais, o bom desempenho dos filhos na escola não tem nada a ver com o hábito de correr ao ar livre ou de jogar bola com amigos. Em alguns casos, considera-se que o excesso de tempo dedicado à diversão pode até comprometer a rotina de estudos. Contudo, será que essa também é a opinião dos profissionais da área de saúde?

“Ao contrário do que alguns pensam, tanto a prática regular de esportes, quanto o esforço físico decorrente das brincadeiras, podem contribuir bastante com a capacidade de aprendizado de crianças e adolescentes. Cabe aos pais apenas administrar os horários dos filhos. Para que eles possam estudar e se exercitar de maneira equilibrada”, afirma o fisiologista Diego Leite de Barros.

Diego explica que, de maneira geral, a prática de esportes e atividades físicas estimula a criança a desenvolver. E não só a capacidade de reconhecer seu corpo, suas limitações e o seu potencial físico. Mas também a sua habilidade de raciocinar e de tomar decisões. “Isso ocorre porque a criança acaba criando um caminho de condução do estímulo entre o cérebro e os músculos ainda mais eficiente”, explica. “Esta capacidade se desenvolve ao longo dos anos. E facilita o processo de aprendizagem em diferentes níveis cognitivos e motores”, revela o fisiologista.

Esporte inteligente 

De acordo com Barros, as atividades físicas que melhor desenvolvem a capacidade de aprender de crianças e adolescentes são aquelas realizadas em grupo. Com regras definidas e que contam com ambientes que estimulam de diferentes maneiras. Como grama, areia ou água, por exemplo. “Esportes como futebol, vôlei de praia ou atividades aquáticas cumprem bem com essa função. Mesmo modalidades individuais como natação, ciclismo e artes marciais também podem exercer um papel muito importante. Não só na aprendizagem, mas também na capacidade de concentração dos pequenos”, afirma Diego.

“Vale lembrar que a prática de esportes e atividades físicas entre menores de idade deve ser sempre supervisionada por professores. E, se possível, com acompanhamento médico regular”, aconselha.

Benefício por toda a vida

Não é só entre a infância e a adolescência que a prática de atividades físicas gera benefícios para as habilidades cognitivas. Em idades mais avançadas, nas quais a capacidade de raciocínio pode ficar comprometida em função das reduções no desempenho neural, os exercícios também têm grande importância. “Assim como acontece com as crianças, exercícios físicos na fase adulta ou na terceira idade também auxiliam. Entre outras funções cognitivas, a capacidade de concentração e raciocínio”, explica Diego. “Por isso, manter um estilo de vida ativo e saudável é sempre muito importante para que possamos enfrentar as limitações impostas pelas diferentes fases da vida”, acrescenta o fisiologista.

 

Fonte: Ultrapopular